Plural - da delicadeza à força




Meninas que nasceram com a mesma perspectiva: não ter perspectiva. Na roça, na lida da casa, a fumaça do fogão caipira impregnada nos cabelos, as roupas simples, o trabalho pesado, cuidar dos irmãos, ser deixada de lado pela família. Crianças que nasceram pra servir os pais, o resto da família, os homens e, se Deus quiser, o marido. Tão bem cuidadas como uma moita de chuchu que deu no canto da cerca. Marias.
E a história de uma dessas meninas que foi parar no teatro com a peça “Plural”, da Cia. Nu Escuro. Maria é mais uma criança no meio de vários irmãos, mora na fazenda da avó, órfã de pai, sem perspectiva de estudar, relegada aos trabalhos da casa e a deixar as melhores partes da comida pros irmãos-homens. Preterida.
Maria é uma frágil e linda boneca feita de crochê, assim como seus parentes. Uma mãe acalentadora, mas passiva; uma avô autoritária; um padrasto ignorante que arrasta parte da família pra vida dura da cidade; e os irmãos, inúmeros irmãos.
O sofrimento da menina da roça é contado em várias vozes. Vozes de Marias de verdade, que um dia nasceram e cresceram na dificuldade. São relatos sonoros de mulheres que tiveram uma vida dura. E assim a história vai sendo tecida, entre o real e a ficção, entre os bonecos e gente de carne e osso.
E quem nunca ouviu histórias como a de uma menina que não sabia o que era menstruação e achou que estava morrendo? Ou de uma criança que comeu algo escondido e coo castigo teve que comer ainda mais?
Inclusive essa é uma das melhores cenas do espetáculo. A avó de Maria diz a ela pra não comer as bananas que estão em cima da mesa. Mas assim que a idosa sai, a menina as vê dançando na frente dela, tentando, convidando, quase que a obrigando a comer: “Minha casaca é simples, mas o conteúdo é sensacional”. E nessa hora, os manipuladores não são apenas manipuladores, mas agentes ativos do espetáculo. Dançam, cantam, interagem com os bonecos. Seduzem o público.
Além dos bonecos, “Plural” também é uma orgia visual, com suas projeções e luzes. Sua quermesse de bonecos iluminados. Seus carros velozes vindos do passado só pra transitar no cenário e amedrontar a Maria. Um casamento apurado entre cinema e teatro.
O espetáculo é como muitas Marias por aí, a primeira vista, sensível, delicado. Mas com o tempo nota-se a força e a intensidade.


Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.

    Quem vos escreve

    Minha foto
    Goiânia, Goiás, Brazil
    Jornalista por formação, especialista em Filosofia da Arte. Trabalho em TV, mas sempre ligada ao Jornalismo Cultural, com ênfase em Teatro e Cinema.

    Seguidores