Heleno – a intensidade em cena



“Eu não sou jogador de futebol, sou a própria vontade de jogar, a gana”, é assim que Heleno (Rodrigo Santoro) se define. Um jogador controverso que muito antes dos jogadores multimilionários fez sua fama.
Ele jogava para o Botafogo e era temido pelos adversários e pelos companheiros de time. Era controverso, inconsequente, mulherengo, maluco, agressivo. Mas principalmente amava o que fazia e não aceitava dos outros nada menos que o máximo.
Se Heleno fazia o impossível em campo também cobrava isso dos colegas. Entre xingamentos, gritos e rusgas ele chamava a atenção dos colegas para que se empolgassem, que dessem tudo de si pelo time. Tanto que não aceitava dinheiro quando o time perdia ou empatava e censurava os companheiros por isso. Não era o dinheiro que o movia, mas o barulho surdo da bola entrando no gol e a torcida, os gritos.
Mas Heleno se perde no seu perfeccionismo, é egocêntrico. Nada além dele interessa, todo o resto do mundo pra ele estava errado. E assim ele vai perdendo o respeito dos colegas e dos dirigentes dos times, o amor de suas mulheres e a amizade dos que ainda restavam.
Entre uma droga e outra Heleno se fecha em si. E fica cada vez mais distante do mundo, o que é agravado pela sífilis.
“Heleno”, de José Henrique Fonseca, é um filme marcante, cheio de garra, gana, um balde de água fria. Uma história boa, bem narrada e interpretada maravilhosamente bem por Rodrigo Santoro. É um chacoalho para aqueles que não mais se empolgam com o que escolheram pra fazer.

Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.

    Quem vos escreve

    Minha foto
    Goiânia, Goiás, Brazil
    Jornalista por formação, especialista em Filosofia da Arte. Trabalho em TV, mas sempre ligada ao Jornalismo Cultural, com ênfase em Teatro e Cinema.

    Seguidores