Minhas tardes com Margueritte

"Nas histórias de amor não há apenas amor. Nunca dissemos 'eu te amo', mas nos amamos".




A gente sempre acha que o amor nasce entre iguais, descobrindo semelhanças, compartilhando sempre as mesmas coisas. A gente espera e acha que o amor é harmônico. E se ele é harmônico, não precisa fazer vistas grossas para certas diferenças, nem aprender a entender, compreender e muito menos perdoar, perdoar, perdoar.
Mas o amor nem sempre segue as regras da razão e muito menos busca iguais por aí. Acho até que o mais interessante são os opostos, que de pouquinho em pouquinho, vão achando um jeito de encontrar aqui e ali o que pode unir duas pessoas.
E é aí que o amor nasce entre duas pessoas que, a primeira vista, não combinariam. Germain (Gérard Depardieu) é um homem de meia idade, com dificuldade de aprendizado (muitas vezes burro, até) e grosso. Já Margueritte (Gisèle Casadesus) é uma idosa de 95 anos, culta e paciente.
Um dia, contando os pombos da praça, eles se conhecem. E passam dos pombos aos livros. Margueritte começa a ler para Germain, cada dia um pouquinho. E daí nasce a necessidade de se verem todos os dias. Mesmo sem marcar, eles estão lá no mesmo local e horário.
Passar um tempo juntos vira parte do dia. Um prazer, contado minuto a minuto para que comece. E um passa a habitar a vida do outro. A doçura de Margueritte mexe com Germain, que sempre teve que lidar com a indiferença da mãe. E Margueritte encontra em Germain o filho que nunca teve, a quem ensina palavras, pacientemente.
E assim "Minhas tardes com Margueritte" vai se desenrolando com um amor que vai crescendo aos poucos, sendo como tem que ser, um amor paciente e compreensivo. Desse tipo de amor que não precisa de "eu te amo", mas que se mostra nos pequenos gestos e cuidados.

Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.

Pedro de Valdívia e as aulas de história




O assunto é a colonização do Chile pelos espanhóis. Mas não espere livros, quadro e pincel atômico. Não, não é uma aula de história. É uma peça de teatro.
“Pedro De Valdívia, La gesta inconclusa”, do grupo chileno Tryo Teatro Banda, conta de forma divertida as agruras dos europeus que desafiaram os índios sul-americanos para colonizar o Chile e é claro, obter ouro.
Em cena os três atores viram 11 mil, 3 mil, quinhentos homens atravessando as cordilheiras, o deserto, as florestas, o mar, lutando conta o inimigo, vencendo, perdendo, morrendo. Por meio das músicas agitadas e a ótima atuação, o trio se transforma em vários e transporta a plateia para aqueles dias em que o desejo era conquistar.
E conquistar naquela época era sinônimo de subjugar e matar os nativos. Ao longo da peça, vemos guerras e trapaças onde o índio é aniquilado pelo poder bélico do conquistador. Até que descobre que quantidade também pode vencer uma batalha.
E assim vemos nosso protagonista, Pedro de Valdívia, ora poderoso governador, ora acuado pelos nativos. Mas sempre com uma sede muito grande por poder e principalmente, ouro. Capaz de trair seus compatriotas para obter o metal.
“Pedro De Valdívia, La gesta inconclusa” é um espetáculo completo, que mistura ação e música, sem esquecer de um texto apurado. E assim, um assunto denso se passa num piscar de olhos, em pouco mais de uma hora de espetáculo, em meia à muitas risadas.
Há um apreço muito grande à interpretação, às vezes caricata, às vezes no limiar da normalidade, mas muito bem pensada. Até mesmo quando desempenham pequenos papeis, os atores estão lá, com uma presença de palco marcante.
A diversidade musical que eles apresentam é o forte do espetáculo. Ao longo da peça os atores tocam instrumentos de cordas, sopro e percussão. Tudo muito bem encaixado na narrativa.
“Pedro De Valdívia, La gesta inconclusa” é uma daquelas peças capazes de fazer qualquer aluno desinteressado em história se apaixonar pelo assunto.



Textos e imagens desse blog só podem ser publicados e/ou utilizados em outros locais com autorização da autora.

    Quem vos escreve

    Minha foto
    Goiânia, Goiás, Brazil
    Jornalista por formação, especialista em Filosofia da Arte. Trabalho em TV, mas sempre ligada ao Jornalismo Cultural, com ênfase em Teatro e Cinema.

    Seguidores