"DentroFora" e a pós-modernidade




Perturbadora. A peça “DentroFora” da companhia gaúcha In.Co.Mo.De-Te é assim, uma reflexão perturbadora.

Antes de ir à peça eu conversava com um amigo sobre como as pessoas estão fechadas em si, em seus compromissos e ele dizia: “É a pós-modernidade”. (Uma explicação que não me convencerá nem em mil anos).

Ao chegar ao teatro encontro duas pessoas encaixotadas. Um homem e uma mulher cada uma numa caixa. Eles conversam, se relacionam separados por uma parede.

Relembram os velhos tempos em que dançavam, as viagens e discutem temas importantíssimos como o conceito de azul. Sozinhos, isolados.

Ela chega até mesmo a quase fazê-lo adiá-la só pra que ele perceba que ela a ama. Mas nada adianta, eles estão separados por barreiras quase intransponíveis que talvez nunca tenham existido, mas que um dia criaram, entraram e onde agora se expõem, como numa vitrine.

Certo momento ela começa a chorar porque não aguenta mais e o parceiro, do outro lado da parede, percebe o estado de espírito dela e fica muito exaltado porque ela está feliz. Ela, é claro, confirma tamanha felicidade. E vejo tanta semelhança conosco, nós que estamos fora da caixa. Nós e nossos computadores (caixas?), fingindo que somos sempre tão felizes. Nada de contato, assim podemos manter a pose, não é mesmo?

Mas o mais perturbador de tudo é quando ela acha a porta. Abre. Vacila entre dentro e fora enquanto o companheiro (que não acompanha) continua a falar. E ela volta! Ela volta pra caixa sem dizer uma palavra. Como se aquilo fosse normal, como se a caixa fosse o único lugar possível. Pelo menos é cômodo, não é mesmo?

Quer dizer, ela diz. Ela começa o mesmo diálogo do início da peça e que repetiu inúmeras vezes:

“Será que vamos encontrar?”

Ele: “O que?”

Ela: “Não sei, pra mim tanto faz”

Talvez enquanto tanto fizer pra gente, se não estabelecermos prioridades, se não conseguirmos perceber o outro, tanto faça mesmo. Abrir ou não a porta, dentro ou fora, tanto faz. Estamos todos isolados mesmo.


“DentroFora” foi apresentada gratuitamente durante o Festival do Teatro Brasileiro, no Instituto Federal de Goiás. Com direção de Carlos Ramiro Fensterseifer e no elenco, Nelson Diniz e Liane Venturella.
2 Responses
  1. L. Says:

    Mayara, que bom de ler porque me faz pensar que assisti o que não vi: DentroFora. Estou em um movimento solitário de protesto contra mim e para que eu perceba. Estou tentando me sensibilizar para ver se me comovo com minha situação. Não quero tão cedo atualizar o Facebook; não quero expandir minha rede de amizade; não quero insistir no falso contato, e é por isso que aposto, agora, na verdade do dentro. E de tanto imergir é que espero não me enganar sobre a caixa que me protege do contato com a caixa que envolve o outro. Vai que eu me iludo de novo que o que está diante de mim é gente... sendo que é pura e simplesmente caixa!
    Persistirei no meu protesto solitário. Persista na escrita - é um movimento pela libertação.


  2. Gosto muito dos seus comentários, Mayara Vila Boa. Eles são muito importantes para o amadurecimento do teatro em Goiânia e em Goiás.

    Em relação ao DentroFora eu concordo quando você diz das sensações transmitidas, relacionadas ao universo individual de cada um.

    Porém eu me senti inquieto na cadeira do teatro durante a peça, principalmente no início. Saí da sala gostando muito do trabalho dos atores, da luz, da cenografia e da caracterização e também do tema. É uma montagem muito bela.

    Então o que me incomodou? Em uma conversa na minha aula de Literatura Dramática, no CEP Basileu França, discuti isso com minha professora, a Cristiane Lopes. Ela não pode ver mas me contou que alguns amigos que assistiram disseram-lhe que a dramaturgia da peça é frágil, que o texto não tem o necessário para dar suporte à linguagem proposta.

    Essa análise não foi minha, mas meio que me convenceu e me esclareceu o motivo pelo qual fiquei um pouco inquieto na poltrona. Acredito sim que o texto poderia ter prendido mais a atenção, como acontece em Esperando Godot , referência na linguagem do absurdo, de Samuel Bekett.


    Quem vos escreve

    Minha foto
    Goiânia, Goiás, Brazil
    Jornalista por formação, especialista em Filosofia da Arte. Trabalho em TV, mas sempre ligada ao Jornalismo Cultural, com ênfase em Teatro e Cinema.

    Seguidores